quinta-feira, 10 de abril de 2014

10 de Abril, dia Sebastião da Gama

 

Foto de Sebastião da Gama

 

Hoje é 10 de Abril, dia de aniversário de nascimento de Sebastião da Gama. Há 28 anos, em 1986, entre 10 de Abril e 10 de Maio, a Culsete organizou, em parceria com a Câmara Municipal e o Museu de Setúbal – Convento de Jesus, uma atividade a que foi dado o nome de Evocação do Poeta Sebastião da Gama, escritor então um pouco afastado do convívio dos setubalenses. Pretendia-se que o poeta fosse lido e evocado pelo menos uma vez por ano, a 10 de Abril. Esse nosso desejo de então é hoje uma plena realidade. E a nossa ação foi determinante para tal.

Para além das sessões de abertura e encerramento, a Evocação centrou-se numa grande exposição de objetos pessoais do poeta, realizada por Ana Duarte e Fernando António Batista Pereira a partir da proposta de Fátima Ribeiro de Medeiros e Manuel Medeiros de ser recriado o ambiente de trabalho de Sebastião. Por aí passaram centenas de crianças das escolas do concelho e muitos cidadãos vindos de todo o país, desde antigos alunos a amigos, leitores e admiradores do poeta. Esta atividade foi acompanhada durante todo o mês por uma exposição venda dos seus livros.

Esta evocação teve a colaboração da família Gama e o envolvimento dos alunos das três escolas onde Sebastião lecionou, que, além de estarem presentes nos diversos momentos da evocação, trouxeram materiais importantes para o conhecimento do professor, como cadernos, livros autografados, cartas, com destaque para a carta de Manuel Botas, amplamente divulgada pela Culsete.

A 4 de Maio, aniversário de casamento de Sebastião com Joana Luísa, foi organizada uma romagem a Estremoz, ao Largo do Espírito Santo, inserida no âmbito da evocação, tendo Joaquim Vermelho, antigo aluno nessa localidade, organizado uma exposição que completou o programa.

Além dos testemunhos de antigos alunos e de amigos e conhecidos que com o poeta privaram, participaram nas várias sessões personalidades da cultura e da vida académica portuguesa como Maria de Lurdes Belchior, Matilde Rosa Araújo e David Mourão-Ferreira. Outros, como Fausto Lopo de Carvalho, não podendo ir, mandaram depoimentos para serem lidos. Os que foram oferecidos a Fátima e Manuel Medeiros foram incluídos em 2009 no livro Papel a Mais.
De todas as homenagens e evocações feitas desde então ao poeta da Arrábida nenhuma terá sido tão extensa, tão profunda e tão pluridisciplinar como esta.

Sem comentários:

Enviar um comentário